sábado, agosto 05, 2006

Sombra e a escuridão

- Só vemos as sombras. Não há como mudar isto.
Concordei com a cabeça. Sem ao menos prestar atenção. Eu falava mal da administração do hospital e ele queria conversar. Agora já não pode mais falar nada.
Hoje, segundo uma enfermeira, ele tinha acordado assustado: já não via mais nada. Das sombras, agora só lhe restava a escuridão, nem mais a escuridão que não viu pela manhã.
Eu sempre quiz saber qual o trajeto que os corpos dos pacientes mortos faziam pelo hospital, por onde passavam e para onde iam, mas ia ficar para a próxima vez. Não porque estava envolvido demais emocionalmente, mas porque me incomodava mais não estar. Acho que estou pronto para ser um médico.
Sedento por experiências, por algo o que escrever aqui, eu me vasculhava em torno de emoções. Nada. Por mais que eu forçasse era como uma peça de anatomia, era simplesmente "algo" no leito. Uma sombra que se ia. "Não sangra, não suja a mesa. Esta é a grande vantagem do cadáver." Não saia da minha cabeça as palavras do professor.
Às sombras que percebíamos da vida, tentava dar cor e relevo para as dele. De quando eu o vi pela primeira vez: mais um paciente, mais uma alma inferior. Agora eu queria valorizar, tarde demais. Ele fora muito mais inteligente que eu. Aproveitou a oportunidade enquanto eu, mais esperto, não tive a capacidade de aprender com ele o tanto que ele aprendeu comigo: como fala besteira um estudante.
Gostaria de escrever mais. Mas não tenho mais o que dizer.
Sid

2 comentários:

Anônimo disse...

Quem muitas vezes fica doente não tem somente um prazer muito maior
em estar com saúde , emvirtude da frequenciacom que recobra a saúde; mas tambem em sentido extremamente aguçado para o que é sadio e doente em obras e ações , próprias ou alheias ; de modo que , por ex; precisamente os escritores doentios -- e entre estes estão infelizmente quase todos os grandes-- costumam ter em seus escritos um tom muito mais seguro e equilibrado de saúde , porque conhecem melhor do que os corporalmente robustos a filosofia da saúde e convalescença da alma e seus mestres: horas de antes do meio dia , luz do sol , floresta e fontes de água.
NIETZSCHE

Jussara disse...

Meu amigo, você não viu sombras, você sentiu a passagem.
Passagem pela qual todos um dia teremos de enfrentar, e exatamente pelo mesmo caminho, sem diferença, sem distinção, sem endeusamento, com síndrome ou não.
Simplesmente você sentiu a passagem.
Agora tenho de parar, vou terminar meu relatório.
Felicidades.