segunda-feira, agosto 07, 2006

A bruma das provas

Cada vez que faço uma prova, penso em abandonar a medicina.
Não me aceito tão dislexico. Eu acho que estudo tanto... Não sei se mais nem menos que ninguém, mas o meu dia só tem 24h. Porque as minhas notas estão sempre entre as piores?
Enquanto eu procurava razões neuro-quimico-anatômicas que pelo menos me fizessem me sentir melhor, achei um comentário sobre um filme chamado "Fog of War". Parece que sobre a história de um general americano.
Parece que em algum momento alguém comentava que era impossível dominar, nem ao menos conhecer, todas as variáveis da guerra. Taí uma coisa que fez me sentir melhor, mesmo que não valesse como argumento para me tirar das infindáveis provas-finais...
A consciência do fato de eu não consigo acumular o conhecimento de forma explícita dói menos quando justificamos pela impossibilidade estatística de se avaliar todas as variações possíveis. Não importa o que Damásio diga, não me interesse os seus "marcadores-somáticos", eu prefiro a confiança serena na psicossomática do que a arrogância dos cirurgiões.
Morreremos todos, um dia. Que pelo menos morramos felizes.
Sid

6 comentários:

MãeJoaninha disse...

Olá Sid, bom dia! Dei uma olhada nos seus posts anteriores e é claro que se eu for comentar um a um passarei horas, ficarei devendo, pois o meu dia também tem apenas 24 horas. O seu blog fica nos devendo mais informações sobre você: localização, idade, especialidade, prazeres e desprazeres. Espero encontrar numa próxima visita. :)

SIDEREUS NUNCIUS disse...

A idéia inicial era esta, para manter a privacidade dos pacientes. E a minha liberdade de criticar o status-quo.

Ana Nieto disse...

Caro Sid, deves saber -senão, desconfiar- o porquê de sua incapacidade de sucesso em provas acadêmicas. Como criatura de semelhante natureza, concluí após anos de frustração idêntica que as provas visam colher os dados mínimos considerados necessários para a ação de qq ciência. Porém, existem os teimosos descontentes como nós que nunca se satisfazem com as "explicações" limitadas e bem arranjadas que se definem como a última captação da imensa riqueza de variáveis da realidade e que compõem um "seguro" quadro explicativo -ao menos, qq campo de conhecimento aplicável precisa basear-se em uma base de dados segura. Infelizmente, Sid, vc é mais um de nós que vê muito mais, mas que parecem ver de menos quando submetidos a testes que esperam respostas prontas e preparadas.
Não sei se o congratulo ou apiedo-me de ti, ou de nós já que compartilho de sua condição.
O meu excesso de palavras, caso o chateie, só serve como prova de minha incapacidade de ser sucinta.Desculpo-me, mesmo assim.
Já adorei o seu espaço de escrita virtual de primeira.Parabéns.
Abraços da irmã de insatisfação com o status -quo.

SIDEREUS NUNCIUS disse...

Cara Ana,
Atribuo uma razão mais modesta ao insucesso: impaciência mesmo...
Gostaria de estudar mais e admito que fico contente com o resultado, mas a mente voa e não para quando leio anatomia...
Sid

Amanda disse...

Tá muito bom o seu blogue moço. continue escrevendo. li muitos de seus posts - e acho que vc tem que ficar no anonimato mesmo, pra proteger os pacientes.
ahn. só uma anedota: vc sabe qual a diferença entre jornalista e médico? Jornalista pensa que é Deus, médico é Deus em pessoa! hahahahahaha
beijos
amanda
www.engano.blogger.com.br

Ana Nieto disse...

Uma mente que voa vê mais lá no alto do que aquela que mantém os pés no chão, caro "doutor".